Maternidade é a primeira em Alagoas a adotar musicoterapia

09/12/2010 11:52

 
As gestantes atendidas no Hospital Nossa Senhora da Guia ganharam mais um presente neste início do ano. A maternidade é a primeira em Alagoas a adotar a musicoterapia no acolhimento às parturientes.

Enquanto aguardam o parto, as gestantes ouvem músicas instrumentais e sons da natureza num ambiente climatizado e de pouca luz. Além do acompanhante de sua livre escolha, a futura mamãe é assistida por obstetra, fisioterapeuta, psicóloga e assistente social. Articulada pela equipe multidisciplinar do Hospital Nossa Senhora da Guia, a implantação da musicoterapia na sala do pré-parto integra o processo de humanização do atendimento às gestantes e os esforços de todos colaboradores da unidade para que a maternidade seja reconhecida pela Organização Mundial da Saúde como “Hospital Amigo da Criança”.

As gestantes Klaisa Porfírio da Silva, 27, moradora do Vergel do Lago, e Gerlane Silva Santos, 28, do povoado de Barreiras, em Coruripe, comprovaram o clima de tranquilidade existente na Sala de Pré-parto. “Este é o meu terceiro filho e o que lembro das outras maternidades eram mulheres gritando e reclamando de dor. Aqui é diferente, tem um bom atendimento, o pessoal é atencioso”, diz Gerlane, que teve um de seus filhos em São Paulo.

Já Klaísa Porfírio se mostrou impressionada com o bom atendimento da equipe de profissionais e com a estrutura da unidade, particularmente por se tratar de uma maternidade que só recebe ges-tantes do Sistema Único de Saúde (SUS). “Estou no meu quarto filho e nunca vi maternidade assim”, comentou.

A psicóloga hospitalar Rita de Cássia Santos, uma das articuladoras do projeto junto com a fisi-oterapeuta Alessandra Tavares Pontes e a assistente social Ray Gomes Lima, explicou que as partu-rientes chegam ao hospital cercadas por muitos medos, principalmente os que envolvem a dor do parto.
“São gestantes que deixaram a tranquilidade de suas comunidades e de seu lar e que muitas vezes percorreram centenas de quilômetros e passaram pelo estresse de não encontrar vagas em diversas maternidades. Daí a importância deste acolhimento e da música como elemento relaxante tanto para a parturiente como para os próprios profissionais de saúde”, frisou Rita de Cássia.

Por sua vez, a fisioterapeuta Bárbara Rose afirma que a musicoterapia é um componente de apoio ao trabalho realizado pela Fisioterapia e pela Psicologia no pré-parto. “A música e o clima de paz no ambiente complementam as sessões de massoterapia e os exercícios de alongamento”, ressalta.

Já para o obstetra João Batista Bezerra, a música consegue tranquilizar as pacientes enquanto aguardam a hora do parto, porém, tão ou mais importante é o trabalho de acolhimento realizado pela equipe multidisciplinar, o que inclui também as recepcionistas e os seguranças que dão as boas-vindas às gestantes. “Esse conjunto de iniciativas agiliza o parto”, resumiu.

Pesquisa

A musicoterapia não só melhora o humor de pacientes hospitalizados como pode até antecipar a alta médica. É o que sugere um levantamento feito por uma equipe da Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), que desenvolveu um projeto nos hospitais Paulistano e TotalCor, em São Paulo, e Bezerra de Menezes, em São Bernardo co Campo (SP).

Dos cem pacientes ouvidos, 90% tiveram melhora do estado emocional, medida por questioná-rios no início e no fim da sessão. Em 72% dos casos, houve antecipação da alta médica, avaliada por psicólogos e médicos.
Para Maristela Smith, coordenadora do curso de musicoterapia da FMU, a melhora no humor não acontece só no momento em que a equipe atua. “A música provoca efeitos bioquímicos. Atua em neurotransmissores como a serotonina e enriquece os circuitos neurais, o que intensifica o prazer.

Fonte: http://www.coisasdemaceio.com.br/modules/news/article.php?storyid=16420