SER MUSICOTERAPEUTA É ...

16/09/2011 11:53

 

Nydia Monteiro

Comemorar o dia do musicoterapeuta, para mim que faço parte desta classe é um privilégio nos tempos atuais. Há 37 anos atrás, quando ouvi falar da existência da “Musicoterapia”, e já trilhava meu caminho musical, decidi ser uma profissional desta categoria. Fascinou-me utilizar a música direcionada a saúde do ser humano, com conhecimento de como fazer tal ação, científicamente. Precisei esperar 20 anos para realizar este sonho e fazer o curso exigido para tal capacitação, mas valeu a pena. Vale a cada dia quando me deparo com o sofrimento de muitos em hospital, centro de reabilitação, consultório, em domicílio e outros locais para que sou chamada e posso com a música, as técnicas, métodos e recursos que só a musicoterapia tem, minimizá-los, transformá-los e algumas vezes até “curá-los. Tambem é um privilégio o paciente que consegue ter um tratamento musicoterapeutico porque pode unir o prazer e bem estar, muitas vezes a uma rotina triste e dolorosa da maioria das doenças e seus tratamentos. É estar envolvido em vibrações de vida e saúde quando se está impregnado de desequilíbrio físico e/ou mental e espiritual Isso é musicoterapia e é aplicada por um musicoterapeuta que estuda e se dedica a aprofundar seus conhecimentos cada vez mais em benefício do seu paciente.

A musicoterapia esteve presente dando importante suporte no tratamento das seqüelas causadas nas 2 primeiras grandes guerras. E exatamente pela experiência bem sucedida com os pacientes vítimas das batalhas que se viu a necessidade de criação do curso de formação de um já músico, mas graduando-se e/ou pós-graduando-se em Musicoterapia com formação específica na área de saúde. Uniu-se aí sábiamente a arte e a ciência; prazer e o conhecimento. Possibilitou-se a presença de vida, equilíbrio, saúde em ambientes quase sempre pesados pela dor, desesperança e obstáculos. Penso até comparativamente e com tristeza que o momento atual pelo o qual nossa sociedade passa é de um cenário de guerra e todas as suas conseqüências, tal como na 2ª grande guerra quando a musicoterapia nasceu. Jovens ficam incapacitados fisicamente pela violência, imprudência em cada vez maior numero, diáriamente a nossa volta. Mais e mais doenças aparecem para somar a um grande numero de doenças já existentes e conhecidas. A tristeza e desestruturação da família e da população cada vez mais aumenta o numero de deprimidos, stressados e doentes entre nós. Quantos de nós neste momento está totalmente saudável? Por isso, sinto-me orgulhosa em ter escolhido esta profissão. Porque sei e vejo todos os dias quando me dirijo ao trabalho o quanto posso transformar positivamente meus pacientes e às vezes até seus familiares e cuidadores. Tambem sei que o vínculo terapêutico é muito mais rápido que outras terapias porque a música intermedeia e agiliza esta relação. E que posso com minha ação de musicoterapeuta ajudar aos outros profissionais da área de saúde, principalmente, a terem uma melhor colaboração de nossos pacientes em comum. A música alivia e renova. O paciente que passa por esta terapia costuma aceitar mais seu tratamento interdisciplinar e a entrada de outros profissionais. Quase sempre aceitando melhor os tratamentos dolorosos e invasivos.

Comemoro o Dia do Musicoterapeuta com a certeza de ter escolhido a profissão certa para a missão que escolhi realizar em benefício do meu próximo. Feliz Dia dos Musicoterapeutas a todos os meus colegas que fazem esta profissão ser tão bonita, digna e eficiente!

FONTE: http://www.musicoterapianopiaui.blogspot.com/